terça-feira, 11 de dezembro de 2018

Campanha Dezembro Laranja alerta para os riscos do câncer de pele


A imagem pode conter: uma ou mais pessoas, oceano, céu, texto, água, natureza e atividades ao ar livre
Fim de primavera e início de verão – a época mais celebrada pelos brasileiros – traz dias cada vez mais ensolarados e quentes, por isso a Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD) organiza a campanha anual Dezembro Laranja que faz o alerta sobre os perigos da exposição ao sol.
De acordo com dados do Instituto Nacional de Câncer (INCA), a estimativa é que surjam para o biênio 2018-2019 cerca de 165.580 novos casos de câncer não melanoma. Para o cancerologista e cirurgião Leandro Carvalho Ribeiro, do Instituto de Oncologia do Paraná (IOP), “O câncer de pele tem 100% de cura desde que diagnosticado na fase inicial. O tratamento nesta fase pode ser realizado com cirurgia, que consiste na ressecção ampla da lesão com margens e reconstrução, cirurgia micrográfica de Mohs (ressecção da lesão e estudo das margens no ato cirúrgico), radioterapia, terapia fotodinâmica em caso de carcinoma basocelular ou uso de imiquimod”, completa o especialista. 
Melanoma e não melanoma, qual a diferença?
Dúvida recorrente na população brasileira, o câncer de pele é dividido em dois grupos, que são o melanoma e o não melanoma. O primeiro se caracteriza pelo fato de o tumor atacar os melanócitos, que são as células responsáveis pela produção da melanina. “Este tipo de doença é a de menor incidência, porém o tumor é da forma mais agressiva, por isso deve ser tratado imediatamente, pois pode provocar metástase”, alerta o médico, que é também membro do Grupo Brasileiro de Melanoma.
Já o melanoma é o tipo menos agressivo e mais frequente de tumor, afetando principalmente os homens, justamente pela maior exposição solar e sem a devida proteção. Peles mais brancas têm maior risco de desenvolver a doença, por isso é preciso ficar atento. O mesmo vale para pessoas que têm histórico familiar de câncer de pele. “Fica o alerta à população masculina: use protetor solar, de preferência fator 30 ou mais, dependendo da região, chapéus, bonés e óculos de sol” – (veja dicas e orientações abaixo).
O perigo pode estar disfarçado em forma de pinta
Pintas já tiveram seu período áureo em época de reis e rainhas e também em filmes, hoje é importante ficar de olhos bem abertos nelas. “É preciso estar atento a pintas e manchas que surgem, verificar se aumentam de tamanho rapidamente, se têm bordas irregulares e borradas, se mudam de cor. Estas são características do câncer de pele, por isso a orientação é caso verifique alguma desses situações, procure imediatamente um médico”, destaca Leandro Ribeiro.
Dicas e orientações
1 – Use protetor solar todos os dias, de preferência com fator de proteção solar (FPS) 30 e com capacidade para proteger contra a radiação UVA e UVB. Aplique cerca de meia hora antes da exposição ao sol e reaplique a cada duas horas. Alerta: a falta de proteção pode causar reações imediatas, como vermelhidão e ardor, potencializando consequências em longo prazo. Uma delas é o câncer de pele.
2 – Use óculos de sol (escuros) para proteger contra os raios ultravioleta.
3 – Use e abuse de chapéus e bonés com abas largas para proteger a cabeça dos raios solares.
4 – Se for para a praia ou piscina, faça uso de roupas que tenham proteção contra os raios UVA e UVB.  Dê preferência a camisas ou blusas com mangas compridas.
5 – Evite se expor ao sol nos horários de pico, ou seja, entre 10h e 16h.

terça-feira, 27 de novembro de 2018

#DezembroLaranja, mês de prevenção do câncer da pele, chega ao 5º ano com mutirão de atendimento nacional em 1º de dezembro

Nenhum texto alternativo automático disponível.
Iniciativa da Sociedade Brasileira de Dermatologia alerta sobre a doença e realiza exames preventivos gratuitos
Um país com menos casos de câncer da pele é meta alcançável, e a Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD) está comprometida em reduzir a incidência da doença e sua mortalidade. A conscientização pública é uma das formas de reduzir o número de casos. Para isso, pelo quinto ano consecutivo, a SBD realiza a campanha #DezembroLaranja, iniciativa apoiada pelo Conselho Federal de Medicina (CFM) e pela Associação Médica Brasileira (AMB), para alertar a população sobre prevenção, diagnóstico e acesso ao tratamento da doença no Brasil. Neste ano, a campanha dá continuidade ao tema “Se exponha, mas não se queime”, cativando o interesse da população ao fazer um trocadilho entre a exposição solar e a exposição nas redes sociais. As mensagens divulgadas pelos canais de comunicação da entidade, sobretudo em mídias importantes como o Facebook e o Instagram, preenchem um espaço de utilidade pública, com orientações gerais sobre esse tipo de tumor mais incidente no país – no entanto, o de mais baixa mortalidade.

A primeira ação que assume maior relevância na campanha #DezembroLaranja ocorrerá no dia 1º de dezembro, quando cerca de quatro mil médicos dermatologistas e voluntários somarão forças para a prestação de atendimento e esclarecimento quanto à importância de adotar medidas preventivas. As consultas serão realizadas gratuitamente em 132 postos de atendimento em diversos estados. Desde 1999, o mutirão já beneficiou mais de 594 mil brasileiros, e nesta 20ª Campanha Nacional de Prevenção ao Câncer da Pele da SBD, a previsão é de que 30 mil pessoas sejam atendidas.

De dezembro deste ano a março de 2019, ou seja, durante todo o verão, serão promovidas ações e atividades de informação na internet, ruas, praias e parques. As recomendações básicas da SBD incluem a adoção de medidas fotoprotetoras, como evitar os horários de maior incidência solar (das 10h às 16h); utilizar chapéus de abas largas, óculos de sol com proteção UV e roupas que cubram boa parte do corpo; procurar locais de sombra, bem como manter uma boa hidratação corporal. A sociedade médica também orienta para o uso diário de protetor solar com fator de proteção de no mínimo 30, que deve ser reaplicado a intervalos de duas a três horas, ou após longos períodos de imersão na água.
Casos no Brasil
De acordo com o Instituto Nacional do Câncer (Inca), 30% de todos os tumores malignos do Brasil correspondem ao câncer da pele. Para o biênio 2018/2019, a estimativa é de 165.580 mil novos casos de câncer da pele não melanoma. Um dado novo desse período é que, em relação à última estimativa do Inca (2016/2017), a doença acometerá mais homens (85.170 mil) do que mulheres (80.410 mil). Outra notícia é sobre a estimativa de novas ocorrências de câncer da pele não melanoma ter diminuído em 10 mil casos de um biênio para o outro.

“A SBD transformou esse problema de saúde pública na causa da luta contra o câncer da pele. A boa notícia é que tudo indica que as ações da Sociedade estão surtindo efeito. Parece que estamos no caminho certo”, explica o coordenador nacional da Campanha Prevenção ao Câncer da Pele da SBD, Dr. Joaquim Mesquita.

Em 2018, a SBD conta com parcerias de órgãos públicos, instituições de saúde e empresas, para trabalhar em colaboração e superar desafios a fim de reverter o número de casos da doença no país. A sociedade civil também está convidada a participar da campanha. Algumas sugestões para quem quiser aderir são: divulgar o mutirão de atendimento para diagnóstico e prevenção do câncer da pele que acontece em todo o Brasil no dia 1º de dezembro; usar laços ou fitas laranjas; e publicar as #DezembroLaranja e #verãolaranja nas redes sociais.

“É o momento de promover a visibilidade do tema e de tentar mais uma vez a promoção de uma campanha participativa, coletiva e atuante”, afirma o vice-presidente da SBD, Dr. Sérgio Palma.

Assim como em outros anos, pessoas reconhecidas em suas áreas de atuação participarão do movimento, vestindo a cor laranja. Monumentos nacionais também serão iluminados com a cor símbolo da campanha.

“Todas as ações em torno do #DezembroLaranja integram o compromisso da gestão, que é oferecer informações que possam contribuir para a prevenção do câncer da pele”, realça o presidente da SBD, Dr. José Antônio Sanches.

Para mais informações sobre o #DezembroLaranja, acesse: www.dezembrolaranja.com.br.
Conheça a Campanha Nacional de Prevenção ao Câncer da Pele

Com a intenção de estimular a população na prevenção e no diagnóstico ao câncer da pele, em 2014 a Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD) deu iniciou ao movimento de combate ao câncer da pele batizado “Dezembro Laranja”. Desde então, sempre no último mês do ano, a entidade realiza ações para lembrar como evitar o câncer mais comum no país e convida a população a compartilhar nas redes sociais uma foto vestindo uma peça de roupa laranja, publicando-a com a hashtag #dezembrolaranja.

As ações incluem iluminação de monumentos, iniciativas de conscientização em praias e parques com distribuição de filtro solar, entre outras. Todo ano o tema da campanha é renovado para atrair um maior número de pessoas nessa luta de conscientização. O câncer da pele é o tipo da doença mais incidente no Brasil, com 176 mil novos casos ao ano.

Em 2018, o tema da Campanha Nacional de Prevenção ao Câncer da Pele é “Se exponha mas não se queime”. A ação ganha destaque com o movimento Dezembro Laranja, que informa a população sobre as formas de prevenção com a adoção de uma série de medidas fotoprotetoras, e a procurar um médico especializado para diagnóstico e tratamento. 

quarta-feira, 14 de novembro de 2018



Dia Mundial do Diabetes alerta sobre riscos da doença.
Nenhum texto alternativo automático disponível.
Nesta quarta-feira (14), está marcado o Dia Mundial do Diabetes, campanha que alerta sobre os riscos da doença e a importância da prevenção e controle de suas complicações. De acordo com dados da Secretaria de Estado da Saúde, 7.201 pessoas foram internadas no Paraná, e 3.472 morreram em decorrência do diabetes. Conforme levantamento divulgado no ano passado pelo Ministério da Saúde, 9% da população brasileira convive com a doença.
O diabetes pode ser evitado, assim como a hipertensão e o colesterol alto, desde que hábitos saudáveis, como alimentação adequada e a prática de atividade física, sejam adotados pela população, conforme destacou o secretário de Estado da Saúde, Antônio Carlos Nardi. “O diabetes é uma doença crônica séria, podendo ocasionar complicações graves que podem levar à morte. Trata-se de um problema que não pode ser ignorado. Precisamos alertar nossa população sobre os riscos da doença e incentivar a adoção de medidas preventivas”, lembrou.
Riscos
O diabetes é uma doença caracterizada pelo excesso de açúcar no sangue. Com isso, as células do corpo ficam com pouca energia e o sangue repleto de glicose. A doença pode ocorrer já na infância ou na adolescência, mas na maioria das vezes atinge adultos.
Entre os fatores de risco para o aparecimento da doença estão a alimentação desequilibrada, pobre em frutas e verduras e rica em carboidratos e gorduras; obesidade e sobrepeso; sedentarismo (falta de atividade física) e histórico familiar.
Complicações
Quando não tratada, o diabetes pode levar a complicações bastante prejudiciais à saúde, incluindo infecções, insuficiência renal, infarto do miocárdio e doenças vasculares, como derrame cerebral e gangrena de braços e pernas. A necessidade de amputações de membros inferiores também pode ser causada pela doença. No Brasil, estimativa do Ministério da Saúde mostra que 70% das amputações de membros inferiores feitas no país está relacionada à doença.
O Sistema Único de Saúde (SUS) oferta serviços para prevenção, detecção, controle e tratamento medicamentoso do diabetes gratuitamente.

quarta-feira, 7 de novembro de 2018

A imagem pode conter: texto

Novembro Azul  é o mês para reforçar a lembrança de que o câncer de próstata é o segundo mais comum entre os homens, atrás apenas do câncer de pele. O INCA (Instituto Nacional de Câncer) estima que, em 2018, serão registrados mais de 68 mil novos casos da doença e cerca de 13 mil mortes devem ocorrer em decorrência do câncer de próstata.
Este ano, mantendo o movimento de conscientização da população sobre a importância de detectar o câncer de próstata precocemente, aumentando assim as chances de cura, o  Instituto Lado a Lado pela Vida (LAL)  dá o pontapé inicial da campanha  Novembro Azul  na quarta-feira, 31 de outubro, a partir das 10 horas , na Avenida Paulista, em São Paulo com ação inspirada no tema "A vida não é um jogo".
A campanha de 2018, criada pela agência paulistana 4/12, incorpora a temática dos campos de futebol e cria o  cartão azul , que assume a função de alertar os homens para a necessidade de realizar os exames de PSA (Antígeno Prostático Específico) e o toque retal para diagnosticar a doença o mais cedo possível. O cartão será o ícone das ações que acontecerão em todo o país, em diversos eventos e também em partidas de futebol. 
Na quarta-feira, no lançamento oficial da Campanha, homens vestidos de jogadores e juízes de futebol estarão na frente ao prédio da Fiesp (Av. Paulista n° 1313) e no vão livre do MASP - Museu de Arte de São Paulo (Av. Paulista, 1578) interagindo com os pedestres, distribuindo material informativo sobre a doença e, de forma lúdica, mostrarão o cartão azul que faz o alerta sobre a importância do homem se cuidar. "Nosso objetivo é desmistificar o diagnóstico desta doença, já que milhares de homens deixam de fazer o exame de toque retal devido ao tabu que ainda persiste", afirma Marlene Oliveira, presidente do LAL.
Durante as ações, o  Instituto Lado a Lado pela Vida  oferecerá também aferição de pressão, peso, medida da circunferência e informações aos cidadãos.  "Em tempos de fake news, nosso papel de oferecer informações confiáveis ganha ainda mais relevância para a sociedade", explica Marlene.
Vale lembrar que o tratamento para quem identifica precocemente o câncer de próstata possui índice de cura de até 90%. Os exames devem ser solicitados por um médico e, na eventualidade de um diagnóstico positivo, é recomendável que o homem procure um oncologista, para que possam decidir juntos pelo melhor tratamento.

terça-feira, 6 de novembro de 2018

Novembro Azul conscientiza homens para prevenção do câncer de próstata

o Brasil, doença é uma das principais causas de mortes entre os homens
Depois de o mês de outubro ser marcado pela campanha de mobilização para prevenção do câncer de mama, conhecida como Outubro Rosa, agora é a vez dos homens. O mês de novembro é internacionalmente dedicado às ações relacionadas ao câncer de próstata e à saúde do homem. O mês foi escolhido pois o próximo sábado (17) é o Dia Mundial de Combate ao Câncer de Próstata.
O câncer de próstata é o sexto tipo mais comum no mundo e o de maior incidência nos homens. As taxas da manifestação da doença são cerca de seis vezes maiores nos países desenvolvidos.
Cerca de três quartos dos casos no mundo ocorrem em homens com mais de 65 anos. Quando diagnosticado e tratado no início, tem os riscos de mortalidade reduzidos. No Brasil, é a quarta causa de morte por câncer e corresponde a 6% do total de óbitos por este grupo.
Prevenção
A próstata é uma glândula que só o homem possui, localizada na parte baixa do abdômen. Situa-se logo abaixo da bexiga e à frente do reto. A próstata envolve a porção inicial da uretra, tubo pelo qual a urina armazenada na bexiga é eliminada. Ela produz cerca de 70% do sêmen, e representa um papel fundamental na fertilidade masculina.

Uma dieta rica em frutas, verduras, legumes, grãos e cereais integrais e com menos gordura, principalmente as de origem animal, ajuda a diminuir o risco do câncer. Especialistas recomendam pelo menos 30 minutos diários de atividade física, manter o peso adequado à altura, diminuir o consumo de álcool e não fumar.
Homens a partir dos 50 anos devem procurar um posto de saúde para realizar exames de rotina. Os sintomas mais comuns do tumor são a dificuldade de urinar, frequência urinária alterada ou diminuição da força do jato da urina, dentre outros. Quem tem histórico familiar da doença deve avisar o médico, que indicará os exames necessários.
Exames
O toque retal é o teste mais utilizado e eficaz quando aliado ao exame de sangue PSA (antígeno prostático específico, na sigla em inglês), que pode identificar o aumento de uma proteína produzida pela próstata, o que seria um indício da doença. Para um diagnóstico final, é necessário analisar parte do tecido da glândula, obtida pela biópsia da próstata.
A Sociedade Brasileira de Urologia recomenda que todos os homens com 45 anos de idade ou mais façam um exame de próstata anualmente, o que compreende o toque retal feito e o PSA. Segundo especialistas, o toque retal é considerado indispensável e não pode ser substituído pelo exame de sangue ou por qualquer outro exame, como o ultrassom, por exemplo.
Tratamento
Caso a doença seja comprovada, o médico pode indicar radioterapia, cirurgia ou até tratamento hormonal. Para doença metastática (quando o tumor original já se espalhou para outras partes do corpo), o tratamento escolhido é a terapia hormonal.
A escolha do tratamento mais adequado deve ser individualizada e definida após médico e paciente discutirem os riscos e benefícios de cada um.
Rede pública
Pesquisa mostra que homens sedentários são mais propensos a sofrer de impotência sexual
A Política Nacional de Atenção Oncológica garante o atendimento integral a todos aqueles diagnosticados com câncer, por meio das Unidades de Assistência de Alta Complexidade em Oncologia (Unacon) e dos Centros de Assistência de Alta Complexidade em Oncologia (Cacon).

Todos os estados brasileiros têm pelo menos um hospital habilitado em oncologia, onde o paciente de câncer encontrará desde um exame até cirurgias mais complexas. Mas para ser atendido nessas unidades e centros é necessário ter um diagnóstico já confirmado de câncer por laudo de biópsia ou punção.
Fonte:
Ministério da Saúde
Instituto Nacional do Câncer
Portal Brasil

quarta-feira, 31 de outubro de 2018

A imagem pode conter: texto
Novembro Azul é uma campanha de conscientização realizada por diversas entidades no mês de novembro dirigida à sociedade e, em especial, aos homens, para conscientização a respeito de doenças masculinas, com ênfase na prevenção e no diagnóstico precoce do câncer de próstata.
Apesar do apoio de várias entidades não governamentais, o movimento, em especial no seu aspecto relacionado ao câncer de próstata, é repudiado pelo Ministério da Saúde brasileira e pelo Instituto Nacional do Câncer (INCA), devido à ausência de indicações científicas para a realização do rastreio. Outras entidades que se colocam contra esta atividade são a Sociedade Brasileira de Medicina de Família e Comunidade (SBMFC), o United States Preventive Services Task Force, o Canadian Task Force on Preventive Health Care e o United Kingdom National Screening Comittee.
O movimento surgiu na Austrália, em 2003, chamado Movember, aproveitando as comemorações do Dia Mundial de Combate ao Câncer de Próstata, realizado a 17 de novembro.
No Brasil, o Novembro Azul foi criado pelo Instituto Lado a Lado pela Vida, com o objetivo de quebrar o preconceito masculino de ir ao médico e, quando necessário, fazer o exame de toque, e obteve ampla divulgação. Em 2014, o Instituto realizou 2.200 ações em todo o Brasil, com a iluminação de pontos turísticos (como Cristo Redentor, Congresso Nacional, Teatro Amazonas, Monumento às Bandeiras), adesão de celebridades (Zico, Emerson Fittipaldi, Rubens Barrichello), ativações em estádios de futebol, corridas de rua e autódromos, além de palestras informativas, intervenções em eventos populares e pedágios nas estradas.
Em vários países, o Movember é mais do que uma simples campanha de conscientização. Há reuniões entre os homens com o cultivo de bigodes (ao estilo Mario Bros), símbolo da campanha, onde são debatidos, além do câncer de próstata, outras doenças como o câncer de testículo, depressão masculina, cultivo da saúde do homem, entre outros.